13 de jun de 2010

Eu não pertenço,eu não quero esta euforia
tudo oque eu quero,já não queria.
O que mais pode pulsar, impulssionar a verdade?
Tão pouca a nossa vontade.
O que divide? O que te deixa de lado?
este lado obscuro.
No meu deserto este muro.
No meu presente, teu passado
que me segura, que te procura
que me faz flutuar
e me empurra pra este lugar
calmo e escuro, que não tem oque encontrar.
Falta pouco, mas falta tanto
em outro canto, o mesmo que faltar.
Se me dissolvo tanto e ainda estou aqui
deve mesmo haver uma grandeza, uma imensidão.
O que não se desenvolve em um coração.
Tem seu espaço, no que faz sentir.
Na sua ausência sombria
a decepção de cada alegria.
Tentar encontrar na solidãoe, na dor
a verdadeira compania.
Que não abandona
que entende, que suporta
que transforma.
E espera a proxima vez.

2 comentários:

  1. Ei João!! Muito bom seu blog! Tb me identifiquei com seus textos e suas palavras! Vou seguir!

    ;**

    ResponderExcluir
  2. Às vezes recolho-me triste e solitária, ambas pedindo silêncio e me silencio.
    Sinto-me a pessoa mais barulhenta do mundo. Não estou a salvo. Estou alvo. Não dou bandeira porque não tenho, sou incolor e inodora. Não tenho cheiro e não tenho quem cheire. Sou o que? Um nada em pleno tudo e um dia vivi a esperança de. De me ser.

    Monique Targino


    ps: Estou te seguindo no bloguer.

    ResponderExcluir