3 de ago de 2010

É uma espécie petrificada.
é um lugar, um nome.
Pra onde vai dessa vez?
É toda a estupidez, é tudo
o tudo que se desfez.
Bem mais perdido, bem mais longe.
Só não vou chorar essa morte.
Não vou me esconder do que procurei.
Onde eu encontro, eu busco, eu sei.
Aonde guardar tanta vida?
Não posso mais me dissolver, me transformar.
Não posso mais me distrair, nem me calar.
Continuo procurando, sonhando, crescendo.
Em que tempo estou vivendo?
Eu subo tão alto a vertigem me excita
me explica, me limita.
Então eu vago pela escuridão.
Não quero a luz, não quero a cruz.
Quero voar.
Da escuridão eu sou toda sua duvida.
Estranho é o perfeito.
Insano é o desejo.
No caminho não estou sozinho
e já nem sei se é bom.
O que me ajuda, me confundi.
E se me querem assim
Eu sou a parte de mim, que não me quer
que me entrega, que me tira tudo
que me atira pro mundo.
Me liberta e arranca o coração
toma meu sangue, prende minhas mãos.

4 comentários:

  1. Parabéns pelo seu blog muito massa!Sucesso
    e sempre venho ti visitar hehe

    beijokas Tulipais

    ResponderExcluir
  2. Olá,estou aqui, para informar que faltam apenas 9 dias para encerrar a escolha dos textos do sorteio de 1 ano de aniversário do blog Devaneios Emergentes.
    Kit:Livro da Clarice Lispector + Marca livro + seu texto preferido do blog Devaneios Emergentes.

    Participe!!!
    http://devaneiosemergentes.blogspot.com/2010/07/sorteio-de-um-ano-de-aniversario-do.html

    ResponderExcluir
  3. Poesia linda. A indefinição do encontro com o eu, ou desencontro... A sutileza das palavras e as rimas tão orgânicas!

    ResponderExcluir